UNIFESP: 1º SEMINÁRIO DISCURSO, MÍDIAS, PESQUISA E ENSINO.

Publicado: maio 31, 2015 em Uncategorized

COMUNICAÇÃO ORAL APRESENTADA DIA 28 DE MAIO 2015.

INSTRUMENTALIZAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Christiane Maria Costa Carneiro Penha, Katia Barbosa da Silva Peres e, Antonio Ricardo Penha.

RESUMO:

Basta um olhar atento sobre a oferta de novas tecnologias nas escolas do país para identificarmos que a distribuição desses recursos são insuficientes. Alguns autores (Edith Litwin, 2007; José Armando Valente, 2008; Andrea Ramal & Buffara, 2008) chamam atenção para este fato, e afirmam, que as tecnologias não estão disponíveis para professores e alunos de forma democrática. Destaca – se entre esses recursos tecnológicos a plataforma Educopédia, um a idealização de Rafael Parente, cujo projeto tem em sua essência, potencial de mudança no processo de construção de conhecimento junto aos alunos, além de facilitar e potencializar, o trabalho dos professores. A Educopédia é uma plataforma online que visa proporcionar aos professores da rede municipal de ensino do Rio de Janeiro uma fonte de postagens e consulta com dicas para ministrar suas aulas em todos os níveis da Educação Básica.

OBJETIVO: o presente estudo objetiva analisar, como a Plataforma Digita l Educopédia ajuda a percepção de ensino e, aprendizagem, dos acadêmicos dos cursos de licenciatura de um CENTRO UNIVERSITÁRIO, que enfrentam dificuldades em sala de aula, durante a prática do estágio em turmas do ensino fundamental, objeto da avaliaçã o da 6ª. Coordenadoria Regional de Educação do Município do Rio de Janeiro.

METODOLOGIA: em sua metodologia a mídia Educopédia oferece atividades autoexplicativas, com exercícios lúdicos e práticas para o desenvolvimento do plano de aula. As orientações cu rriculares de cada ano e disciplina foram divididas em 32 aulas digitais, que correspondem às semanas da ano letivo, retiradas àquelas voltadas para avaliações revisões. As atividades incluem exibição de vídeos, animações, podcasts, mini – testes e jogos, se guindo um roteiro pré – definido que obedecem a teorias de metacognição, isto é, através do exercício de reflexão sobre a maneira como se apresenta, repensa – se à cerca dos processos do pensamento individual (EDUCOPEDIA, 2013).

RESULTADOS: os resultados obtid os são positivos, e constata que a Educopédia oferece recursos para aproximar o aluno dos processos educacionais disponibilizados pelas novas tecnologias, onde a tarefa humana de ensinar, com o auxílio de ferramentas digitais pode ser considerado um trunfo que viabiliza positivamente o desenvolvimento de ensino – aprendizagem. Fornece também a professores, recursos multimídias de pesquisa permitindo a contextualização de dados nas diferentes formas de construção do conhecimento, virtual e presencial.

Palavras – chave: Educopédia; Plataforma online; Novas Tecnologias.

DISLEXIA E DESINFORMAÇÃO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA ACERCA DO BAIXO RENDIMENTO ESCOLAR

Valdilene Fabrício de Menezes.

Resumo:

Apesar de grandes inovações pedagógicas, dos recursos multimídia , de equipes multidisciplinares, da inteligência e de oportunidades socioculturais, algumas crianças falham no processo de aquisição da linguagem. Será um indício de dislexia? Não é raro confundirmos dislexia com problemas de adaptação escolar, dificuldade s naturais no início da alfabetização, desmotivação nas atividades escolares ou até mesmo, indisciplina. Matias (1996) considera a dislexia um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na leitura, escrita e soletração. É também vista como fator genético, o que a faz motivo de inquietação para pais, docentes e pesquisadores. Para Ivan e Luciana Isquierdi (2008) o grande problema do diagnóstico, (quando este acontece) consiste em que ele não é feito corretamente, pois, na maioria das vezes, é feito por leigos sem nenhum tipo de informação ou observação primária para que depois, a criança seja encaminhada ao profissional habilitado e logo, medidas emergenciais sejam tomadas. A linguagem é ferramenta principal no desenvolvimento e construção de saberes nos discen tes. Sem a língua não haveria a comunicação, sem a comunicação não haveria os símbolos e sem eles, não haveria o aprendizado. Quando isto ocorre, a criança frustrada absorve problemas de variadas ordens, inclusive, social. O disléxico encontra muita dificuldade em ler e entender, e por isso, seus problemas só aumentam. Eles confundem letras e sílabas, trocam o “a-o” ,“o “ e-d “, o “ n-h “, o “p-b”. Além disso, a escrita dessas crianças é carregada de defeitos e se percebe uma irregularidade de desenhos nas letras, ora feitas de uma forma, ora de outra, o que pode ser indício de falta de concentração e raciocínio. Nossos objetivos quanto ao estudo desta pesquisa é analisar o discurso do professor de ensino fundamental acerca da dislexia e identificar a desinformação do mesmo como principal causa do baixo rendimento escolar do disléxico. A metodologia será qualitativa, em escola pública, onde coletaremos os dados a partir de entrevistas semi-estruturadas, gravadas e devidamente permitidas através da assinatura do TLC por parte dos sujeitos que serão um grupo de 40 professores. Esta pesquisa se dará através dos procedimentos analíticos da Análise de Discurso. Esperamos como resultado, Identificar a desinformação do docente; melhorar suas condições de trabalho atr avés de informação, promover palestras, debates e oficinas com dinâmicas inclusivas e reflexivas sobre práticas educacionais. Palavraschaves:Discurso; Dislexia; Pesquisa e Ensino.

RESUMOS DE PALESTRAS E MESAS REDONDAS

dia 28 de maio de 2015.

16h – Palestra de abertura: Frases sem texto: fenômeno discursivo, circulação na mídia e desdobramentos em ensino/pesquisa. Profa. Dra. Maria Cecíia Perez Silva-e-Souza (PUC/SP).

A mídia contemporânea é grande consumidora das chamadas frases sem texto, as quais, por serem interpretadas em um momento e espaço público dados, ajudam a construir questões políticas e sociais. Daí a importância de interpretá-las em diversos contextos de ensino e pesquisa.

17h – Mesa Redonda 1 – Prof. Dr. Paulo Ramos (Unifesp).

Profa. Dra. Ana Cristina Carmelino (Unifesp).

Coordenação: Prof. Dr. João Kogawa (Unifesp).

Tiras no ensino-aprendizagem: um assunto para comentar, compartilhar e até curtir. Prof. Dr. Paulo Ramos (Universidade Federal de São Paulo).

As tecnologias de informação têm levado o campo dos estudos da linguagem a desenvolver novos conceitos para dar conta das mudanças trazidas pelas mídias virtuais. Letramentos digitais, multiletramentos e multimodalidade são três deles. Afora as diferentes perspectivas teóricas que possam nortear cada um dos conceitos, um possível ponto de convergência é a premissa de que as novas mídias são meios de produção de conhecimento, mesmo que isso ocorra em atividades ainda distantes do ambiente escolar, como os games e as redes sociais. Esta exposição objetiva demonstrar que o contato com uma dessas produções, as tiras virtuais, pode ser um instrumento bastante amplo de estratégias linguísticas de produção de sentido a serem trabalhadas em atividades de ensino-aprendizagem. Circulando em sites autorais, blogs e em redes sociais, esses textos multimodais demandam do leitor o domínio de diferentes mecanismos, tanto textuais quanto hipertextuais, que casam com as propostas de aplicação de gêneros que envolvam letramentos digitais (COSCARELLI; RIBEIRO, 2007) e multiletramentos (ROJO, 2012, 2014) no meio escolar. A análise irá tomar como base tiras nacionais para demonstrar como elas circulam nos variados ambientes virtuais e como se dá o contato interacional com aquele conteúdo.

Porta dos Fundos no Ensino? Por que não? Profa. Dra. Ana Cristina Carmelino(Universidade Federal de São Paulo).

As novas tecnologias modificaram radicalmente o modo de interação entre as pessoas e os modos de acesso à informação. Esse contexto contemporâneo tem levado os estudantes a terem contato com formas diferentes de leitura e de escrita. Do ponto de vista do ensino-aprendizagem, o novo cenário tem levado a dois comportamentos: os que ainda se ancoram nos métodos pedagógicos tradicionais e, por outro lado, aqueles que enxergam nas novas tecnologias formas de transmissão de conteúdos e de aprendizagem. Neste último caso, como aponta Prensky (2001), parte-se da premissa de que o acesso a games, vídeos e redes sociais podem representar fontes de saber. Baseados nesses preceitos, pretende-se, com esta exposição, demonstrar como vídeos humorísticos demandam variadas estratégias para a produção de sentido. O recorte de análise será uma mídia específica, esquetes criados pelo grupo brasileiro Porta dos Fundos para o YouTube. A análise mostrará que um gênero tão popular da internet e entre os alunos, se trazido para a realidade de ensino-aprendizagem, pode ser uma forma rica, e mais atraente, de domínio de conteúdos discursivos.

19h – Palestra 2: Alcances e limites das mídias na escola

Profa. Dra. Maria da Graça Setton (USP).

Ainda que o interesse entre educação e mídias venha crescendo de maneira significativa no campo universitário, muito ainda precisa ser feito. Neste sentido, a palestra visa fazer algumas considerações de ordem metodológica a fim de instrumentalizar a prática de pesquisa e reflexão sobre o tema. Tomando como base a dificuldade de se olhar o fenômeno da educação e das mídias como fatos articulados, busca-se trazer uma perspectiva relacional e processual dos dois processos com a intenção de ampliar e consolidar as representações sobre ambos. ! !

Fonte: UNIFESP. Acesso emhttp://seminariodimipesq.webnode.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s