Associação de Leitura do Brasil: Especial 19º COLE.

Publicado: julho 22, 2014 em Uncategorized

Sessão Especial-Perspectivas da Leitura no Brasil
Dia 23/07/2014.

Moderadores:

Alda Regina Tognini Romaguera – Associação de Leitura do Brasil/ Universidade de Sorocaba.
Ubirajara Alencar Rodrigues – Associação de Leitura do Brasil/FE Unicamp.
Antonio Carlos Rodrigues de Amorim – Associação de Leitura do Brasil/FE Unicamp.

Horário: 13h45min às 15h.
Local: Salão Nobre da Faculdade de Educação da Unicamp.

Tema: Leitura e Escrita de Qualidade para Todos.
Christine Castilho Fontelles – Diretora de Educação e Cultura – Instituto Ecofuturo.

No dia 30 de outubro pesquisadores, escritores, educadores, representantes do governo e de organizações não-governamentais reuniram-se na Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em Brasília, para refletir sobre prioridades e estratégias que contribuam para a uma causa comum: que se leia, escreva e argumente com gosto e competência, tendo como ponto de partida um arcabouço analítico dos fatores determinantes da leitura que trazia as dimensões previstas no Plano Nacional do Livro e da Leitura (PNLL).

A iniciativa para a realização desta oficina, intitulada “Leitura e Escrita de Qualidade para Todos”,
aconteceu no âmbito da cooperação técnica entre o Instituto Ecofuturo, organização social fundada em 1999, e a Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), que ofereceu apoio técnico para sua realização, sob a coordenação do pesquisador Ricardo Paes de Barros.

Para subsidiar o debate foi elaborado o compêndio estatístico “Leituras em números”, que contém a compilação dos principais dados disponíveis em pesquisas nacionais e internacionais sobre o hábito de leitura do brasileiro. A dinâmica do encontro envolveu a distribuição dos participantes em seis grupos de trabalho para debater temas específicos e por meio de processo dinâmico e gerador de diálogos colaborativos foi possível compartilhar conhecimentos e experiências e promover reflexões sobre formas de ação conjunta em prol da educação para a leitura no Brasil.

O resultado está organizado em extenso relatório e pretende-se gerar um texto de consenso sobre estratégias e prioridades que apontem alianças para ações articuladas.


Perspectivas da Leitura no Brasil**

Dia 24/07/2014.

Moderadores:
Luiz Percival Leme Britto – Universidade Federal do Oeste do Pará.
Alda Regina Tognini Romaguera – Associação de Leitura do Brasil/ Universidade de Sorocaba.
Antonio Carlos Rodrigues de Amorim – Associação de Leitura do Brasil/FE Unicamp.

Horário: 13h45min às 15h.
Local: Auditório II do Centro de Convenções da Unicamp.

Tema: Leitura e liberdade – com quantas letra L se faz políticas públicas?
Fabiano dos Santos Piúba – Diretor de Livro, leitura, Literatura e Bibliotecas – MInC.
Partimos de cinco premissas para pensar essa questão. O livro como produto cultural e expressão simbólica na difusão e acesso à cultura, ao conhecimento, à formação e à pesquisa, bem como de fomento para a economia criativa e para as indústrias culturais. A leitura como experiência e espaço de formação cidadã, logo deve se constituir como um direito. A literatura como expressão da diversidade. O leitor como sujeito central das políticas de educação e cultura. A liberdade como uma dimensão síntese para todas essas premissas, considerando a leitura como ato de liberdade.

Horário: 15 às 16h30min.
Local: Auditório II do Centro de Convenções da Unicamp.

Tem gente fazendo sim! – Políticas municipais de promoção da leitura.

Coordenador:
Jason Prado, Leia Brasil – ONG de Promoção da Leitura.

As políticas de leitura no Brasil sofrem do mesmo mal: são sazonais, descontínuas e no mais das vezes inconsequentes em termos de ação e de resultados.
Essas características abrangem os programas em nível federal, estadual e municipal. Neste último, diz-se até que as iniciativas dependem mais do sonho e do desejo daqueles que ocupam os cargos dirigentes (secretários de educação e cultura, principalmente) do que necessidades evidenciadas pelos representantes da sociedade civil.

Esta mesa redonda pretende apresentar duas experiências de promoção e incentivo à leitura (em andamento), seus antecedentes e seus prognósticos, abrindo uma discussão a respeito da possibilidade de institucionalização das ações, impedindo que as mesmas desapareçam ao sabor do rodízio dos governantes. Além disso, através da fala de dois secretários, pretende também mostrar que, apesar da existência de várias dificuldades, ainda assim é possível “plantar sementes” que, se bem regadas no tempo, podem produzir leitores nas cidades brasileiras.


Esméria de Lourdes Saveli-Secretária Municipal de Educação de Ponta Grossa, PR.

Tema: Feira do livro como política de formação de leitores.

O atual Governo Municipal de Ponta Grossa delineou desde o início de sua gestão vem incentivando ações que promovam a leitura junto a todos os segmentos da cidade. Para tal, além de ações voltadas para a implantação de bibliotecas em todas as escolas da rede de ensino, promove, através da Secretaria de Educação, a capacitação dos professores (educação infantil e ensino fundamental) bem como a realização de uma feira do livro (anual) como forma de reunir e mostrar à comunidade os projetos de leitura oriundos das escolas bem como aproximar a comunidade de diferentes gêneros de livros e das novas tecnologias da escrita. A nossa fala buscará pormenorizar as ações positivas organizadas pelos professores bem como os resultados conseguidos até o presente momento.


José Simões de Almeida Junior – Secretário Municipal de Educação de Sorocaba, SP.

Tema: O feijão e o sonho: programas da Secretaria da Educação para a formação de mediadores de leitura na rede municipal de Ensino de Sorocaba.

Experiências e propostas de formação de leitores, no âmbito da Educação Básica nas escolas municipais, são conhecidas e muitas delas amplamente discutidas. Mesmo assim, implantar tais propostas como política pública no município não é simples e traz à tona a práxis da dialética entre o possível e o imaginado.

Dentre as barreiras a serem ultrapassadas no dia a dia da máquina pública na rede municipal de ensino, encontramos as questões orçamentárias, as licitações, a descontinuidade política que se impõe com a alternância nos cargos executivos e legislativos, a falta de mediadores de leitura qualificados e estimulados, a resistência dos professores não leitores, etc.

Já no espaço urbano são outros os desafios como a ausência de livrarias, sebos, bibliotecas, bancas de jornais, enfim, de lugares vinculados ao processo de leitura na cidade. Nesse contexto, a Secretaria da Educação de Sorocaba elaborou a proposta de formação leitores (Programa Escola Viva),desenvolvendo as seguintes ações: a formação continuada de mediadores de leitura nos projetos Salas de Leitura/Novos Olhares e Escola em Tempo Integral/Oficina do Saber/Eixo de Leitura e Leitores; na qualificação física das salas de leitura, na renovação do acervo, na abertura das salas de leitura das unidades escolares à comunidade, nos encontros dos professores e gestores envolvidos no programa com escritores, na organização uma feira anual de leitores, na realização de seminários e fóruns acerca do tema da cultura(seria cultura?) literária, na distribuição de livros (projeto: Esse livro é meu) e jornais (suplemento infantil) e na criação de bebetecas associadas.

Fonte: Associação de Leitura do Brasil: Especial 19o COLE.

Acesso em http://blog-alb.blogspot.com.br/2014/07/especial-19o-cole-sessao-especial_3439.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s